CAPA ASSENTAMENTO
ASSENTAMENTO

Para garantir a qualidade do serviço e a durabilidade do revestimento, confira algumas dicas de assentamento.

Antes de realizar o assentamento

Para garantir a qualidade do serviço e a durabilidade do revestimento, antes de realizar o assentamento é importante seguir algumas dicas:

16 Assentamento 

Verificar nas etiquetas das embalagens se o código, tonalidade e bitola são os mesmo em todas as caixas;

- Guardar sempre uma caixa contendo as informações do produto para caso haja necessidade de comprar complemento no futuro;

17 Assentamento

Conferir se o produto está isento de quebras ou lascas ocasionadas pelo transporte;

- A cada embalagem aberta, verificar se existem peças com algum tipo de defeito, como quebras e lascas. Se houver, separe-as para os recortes;

18 Assentamento

Se for possível, coloque os produtos no espaço onde serão assentados, sem argamassa, pois dessa forma você poderá planejar a paginação e identificar possíveis problemas na peça;

- No que se refere a defeito visual, se existir, deve ser comunicado para a loja antes do assentamento. O assentamento significa a aceitação do produto;

19 Assentamento

Flechas: no verso das peças de formato quadrado, há o desenho de uma seta que orienta a correta direção para o assentamento. É muito importante seguir essa indicação para obter o perfeito nivelamento das peças e um visual harmonioso no ambiente;

- Nos casos em que o revestimento cerâmico for especificado para diversos tipos de ambientes, recomenda-se iniciar o assentamento pelo ambiente interno central em direção ao mais externo, ou seja, iniciar na suíte em direção a entrada da residência;

- Caso o produto adquirido tenha variação visual, siga as dicas de assentamento no item 3.8.

Normas Técnicas

A Associação Brasileira de Cerâmica dispõe de normas técnicas que regulamentam e recomendam o assentamento de produtos cerâmicos.

NBR 13753 – Revestimento de piso interno ou externo com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante - Procedimento.

NBR 13754 – Revestimento de paredes internas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante - Procedimento.

NBR 13755 – Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante - Procedimento.

As normas técnicas estão disponíveis no site: http://www.abnt.org.br/

Recebendo e estocando as caixas de revestimento cerâmico

Ao receber o material na obra confira se todas as caixas possuem o mesmo código, nome, tonalidade e bitola. Em um mesmo ambiente é importante que sejam assentados produtos que contenham essas informações iguais, elas vão garantir a uniformidade do ambiente.

 20 Recebendo e estocando as caixas de revestimento cerâmico

Para melhor conservação dos revestimentos, o ideal é estocá-los em local seco e coberto. Assim, o tempo de vida será muito maior. Caso não seja possível o armazenamento em local coberto é importante cobrir os revestimentos com plástico ou lona.

Para melhor organização, os revestimentos devem ser estocados separados por: código, qualidade, tonalidade e bitola (tamanho). 

Os produtos devem ser empilhados conforme as seguintes orientações:
- Devem estar sempre na vertical
- Cada fileira de caixa em um sentido
- Altura máxima da pilha de 1,5m
- Amarrar a pilha
- Identificar os lotes com placas indicativas

Execução do contrapiso

A execução do contrapiso é de responsabilidade do executor. É ele quem vai definir a melhor forma de obter uma base estável. De uma maneira geral, abaixo seque algumas dicas para um bom rendimento e execução do contrapiso:

- Colocar um lastro de brita com 15 a20 cm de espessura entre o solo e o contrapiso;
- Colocar uma camada de concreto com espessura mínima de 8 cm;
- Impermeabilizar o contrapiso com manta ou membrana asfáltica;
- Garantir que a superfície que receberá o revestimento esteja regular e livre de fissuras, além de limpa, isenta de umidade, graxas, óleos e outros materiais que prejudiquem a aderência.

21 Execução do contrapiso

O contrapiso deve apresentar caimento adequado conforme o projeto, sendo:
Áreas secas: Nivelado
Áreas molhadas:Banheiros 0,5% em direção ao ralo ou porta de saída
                      Box do banheiro – entre 1,5% e 2,5% em direção ao ralo
                      Piso externo – Mínimo de 1,5% em direção ao ralo

 Para iniciar o assentamento é importante que a base esteja curada, sendo 28 dias de concretagem da laje e 14 dias da execução do contrapiso.

 

Execução do emboço em paredes internas

O emboço tem em média 2 cm de espessura e seu traço depende do revestimento que receberá. E para sua aplicação a parede deve estar limpa, com a superfície regular, livre de fissuras e de elementos que prejudiquem a aderência, como graxas, óleos e umidade. O emboço ou reboco como é mais conhecido, deve ser feito em 72 horas após ter sido executado o chapisco. Se preferir, existe também a opção de argamassa de emboço pré-fabricada, que neste caso você deve seguir as recomendações do fabricante.

22 Execução do emboço em paredes internas

Para iniciar o assentamento é importante que a base esteja curada, sendo: 7 dias de cura para o emboço e 14 dias para outras bases.

Argamassa ideal

Os revestimentos cerâmicos têm porosidades e aderências diferentes, por isso cada tipo de produto possui uma argamassa especifica. O uso da argamassa correta vai garantir a perfeita aderência e evitar descolamentos. Conheça os tipos de argamassa colante existentes e a indicação de uso de cada uma delas:

 23 Argamassa ideal

ARGAMASSA COLANTE

 

Tipo - Utilização

AC l - Revestimentos internos, com exceção daqueles aplicados em saunas, churrasqueiras, estufas ou revestimentos especiais.
AC ll - Revestimentos de pisos e paredes internos e externos sujeitos a ciclos de variação termo-higrométrica e à ação do vento.
AC lll e AC lll – E – Para revestimentos que necessitam de aderência superior, como revestimentos especiais e grandes formatos. Assentamento de placas com área superior a 900cm2 (grandes formatos) deve ser utilizada AC III – E (especial). 

– Para aplicação de revestimentos em fachadas deve ser utilizada AC III – E em revestimentos com formato de até 45x45cm e até 3 metros de altura. Para alturas superiores a 3 metros com revestimentos maiores que 45x45cm outro método de fixação deve ser utilizado, como fachada ventilada ou grampos. 

- Se o uso for em piscinas é necessário utilizar argamassas colantes resistentes à imersão d’água permanente e rejuntes resistentes ao cloro e apropriados para piscinas. Para melhor indicação, consulte os fornecedores de argamassa e rejunte.  

Aplicação da argamassa colante

Para preparação da argamassa deve-se seguir as recomendações do fabricante, como misturá-la em um recipiente limpo com a quantidade de água indicada na embalagem da argamassa, não esquecendo que as condições climáticas também influenciam na quantidade de água utilizada. A seguir, despeje a água no recipiente e vá adicionando o pó da argamassa até obter uma consistência firme e homogênea, deixando em repouso por aproximadamente 10 minutos.

Atenção, o tempo em aberto recomendado pelo fabricante também deve ser observado, pois a argamassa mantém suas propriedades inalteradas, sem interferir na qualidade e aderência.

Para aplicar, deve-se colocar uma fina camada de argamassa de aproximadamente 3 a4 mm, utilizando o lado liso da desempenadeira. Posteriormente, utilize o lado dentado formando cordões de argamassa que possibilitam maior aderência.

 24 Aplicação da argamassa colante

E para o assentamento de placas cerâmicas com dimensões superiores a 30x30cm é necessário uma dupla colagem. Atenção, a argamassa deve ser espalhada no verso da placa e também na base, com a finalidade de obter o total preenchimento do verso, garantindo assim um bom assentamento.

Já para os porcelanatos com formatos superiores a 60x60cm, utilize a desempenadeira dentada de 12 mm e passe argamassa no contrapiso e no porcelanato. Essa técnica é chamada de dupla colagem e garante uma melhor aderência dos produtos de formatos maiores. Aplique a peça no local indicado, sendo que os cordões feitos pela desempenadeira dentada devem estar na mesma direção na base e na peça. 

Atenção: Nunca se deve aplicar a argamassa em pingos, pois não vai aderir o produto corretamente, além de facilitar as quebras.

Aplicação do revestimento cerâmico

 Importante! Antes de aplicar o revestimento, observe:

- Se a base está totalmente curada e seca;
- Se está isenta de sujeiras, garantindo a boa aderência dos revestimentos;
- Nivelada para o perfeito encaixe entre revestimentos;
- Com caimento adequado para ralos;
- Com as juntas necessárias evitando futuros descolamentos (ver item 3.10). 

Após a verificar os itens acima, considere:
O assentamento de revestimentos em paredes deve ser iniciado de baixo para cima, assim os eventuais recortes ficarão nas placas junto ao teto, menos aparentes.
- Em ambientes como banheiros e cozinhas que receberão cerâmica nas paredes e no chão, é recomendado iniciar o assentamento pelas paredes.25 Aplicação do revestimento cerâmico

Não encoste o porcelanato no encontro do chão com a parede, deixe pelo menos uma junta de 5 mm e preencha com rejunte. 

27 Aplicação do revestimento cerâmico

Aplique a peça no local e pressione com a mão e bata com um martelo de borracha de forma que os cordões sejam esmagados, garantindo assim a perfeita aderência.

28 Aplicação do revestimento cerâmico

Coloque cruzetas de plástico em seguida, para garantir o perfeito alinhamento entre as peças e formar as juntas de assentamento, que posteriormente vão receber rejunte.

29 Aplicação do revestimento cerâmico

 

Assentamento de produtos com variação visual

Para que o efeito estético seja aquele dos seus sonhos, o assentamento de revestimentos com variação visual requer muita atenção. O melhor resultado será conseguido por meio de uma boa distribuição do produto, mesclando peças de diferentes caixas. Para isso, é recomendado:

- Abrir quatro ou mais caixas e pegar uma unidade de cada, assentando sequencialmente as peças. Prosseguir da mesma forma com novas caixas, até finalizar o assentamento;

- Para paginações com transpasse, siga a mesma orientação. Não esquecendo que o transpasse pode ser de até 30% do comprimento da peça.

  • Assista ao vídeo

Rejuntamento

30 Rejuntamento

O rejunte é muito importante para evitar futuras infiltrações e garantir a durabilidade do revestimento. Por isso, deve ser impermeável e antifungo, principalmente em ambientes úmidos e nas áreas externas. Para compensar as dilatações dos revestimentos cerâmicos é fundamental que o rejunte seja flexível. Confira alguns cuidados que vão garantir o rejuntamento ideal:

 - Para porcelanatos, os rejuntes mais indicados são do tipo epóxi, acrílico ou cimentício com indicação específica;

- É necessário aguardar pelo menos 72 horas para rejuntar o porcelanato;

31 Rejuntamento

Preencha a junta até o contrapiso e nivele na superfície no mesmo nível do porcelanato. Atenção, nunca aprofunde as juntas, efeito meia cana, pois o afundamento acumula sujeira;

- O rejunte seca em 15 minutos e começa a endurecer em 2h30min após a preparação. Portanto, dê preferência para limpar os excessos o mais rápido possível;

- Existem diversos tipos de rejunte, o rejunte do tipo epóxi, é mais utilizado em áreas internas por ser mais resistente, não mofar e apresentar acabamento mais liso facilitando a limpeza, contudo sua aplicação exige mão-de-obra especializada para que a funcionalidade e beleza desse material sejam aproveitadas;

32 Rejuntamento

Caso seja utilizado o rejunte epóxi em porcelanatos acetinados, a limpeza deve ser realizada imediatamente após a aplicação, com uma esponja molhada. O rejunte epóxi, quando seco, pode formar uma espécie de moldura nos produtos acetinados. Uma boa dica para evitar manchas é colocar fita crepe nas bordas dos revestimentos antes de rejuntar, assim também facilita a limpeza posterior;

- O rejunte epóxi não é indicado para áreas externas, consulte o fabricante de rejunte para saber mais;

- Utilize cruzetas de plástico de 1,5 mm para atingir juntas de 2 mm;

33 Rejuntamento

Após finalizar o rejuntamento proteja o revestimento cerâmico com lona ou papelão até finalizar a obra;

- O tráfego poderá ser liberado após 48 horas, já a limpeza pós-obra deverá ser realizada 7 dias após a finalizar o rejuntamento. 

33 Rejuntamento

Juntas

Os revestimentos cerâmicos estão sujeitos a movimentações decorrentes das oscilações de temperatura (frio e calor), de umidade e vento, além das sobrecargas que as construções estão submetidas.

As famosas juntas têm a função de aliviar estes esforços impostos ao revestimento cerâmico, absorvendo ou aliviando esta movimentação. Além da importância estética, elas também dão flexibilidade para acomodação das peças. Confira abaixo como são classificadas:

 juntas

1. Juntas de assentamento
2. Juntas estruturais
3. Juntas de movimentação
4. Juntas de união ou dessolidarização

  • Juntas de Assentamento recomendadas

    34 Juntas de Assentamento

    Juntas de assentamento é o espaço existente entre duas placas cerâmicas. Elas devem ser preenchidas com rejunte para que ocorra a impermeabilização do sistema da base da construção, garantindo a durabilidade do produto. Além disso, as juntas de assentamento são importantes para:

    - Facilitar o alinhamento entre as peças.

    - Facilitar a troca de revestimentos danificados.

    - Acomodar as movimentações da base da construção e das placas.

    - Compensar a variação de tamanho permitida entre as peças.

    - Facilitar a limpeza.

    - Garantir a vedação da umidade dos revestimentos.

    - Melhorar a estética final dos ambientes.

     

     

    Para garantir essas funcionalidades a Cerâmica Portinari não indica juntas secas. Assim, para cada cerâmica existe uma recomendação para a largura das juntas, variando de acordo com o tipo e formato do revestimento. Confira na tabela abaixo:

     

    Tipo

    RET

    BOLD

    Porcelanato

    2 mm

    3 mm

    Paredes 30 x 90

    1,5 mm

     

    Paredes (demais formatos)

    1 mm

    2 mm

  • Juntas Estruturais

    Existentes na estrutura de concreto das obras, as juntas estruturais servem para aliviar tensões provocadas pela movimentação da estrutura. Geralmente, são identificadas por vãos que cortam todo a estrutura, permitindo que os panos acompanhem a dilatação estrutural da obra. 

    juntas estruturais

  • Juntas de Movimentação

    As Juntas de movimentação têm a função de interromper o contrapiso, assim como dividir a superfície revestida por placas cerâmicas, além de atuar no alívio de tensões originadas pela movimentação da base onde é aplicado o revestimento.

     

    As juntas de movimentação devem ser executadas nas seguintes situações:

     

    - Em paredes internas com área igual ou maior a 32m2 ou sempre que uma das dimensões do revestimento for igual ou maior que 8 metros.

    - Em paredes internas expostas à insolação e∕ou umidade com área igual ou maior a 24m2 ou sempre que uma das dimensões do revestimento for igual ou maior que 6 metros.

    - Em paredes internas, no perímetro da área revestida, no encontro da área revestida com pisos e forros, colunas, vigas ou com outros tipos de revestimentos e onde há mudanças de materiais que compõem a parede.

    - Em paredes externas, juntas horizontais espaçadas a cada 3 metros ou a cada pé-direito, na região do encunhamento da alvenaria.

    - Em paredes externas, juntas verticais espaçadas no máximo a cada 6 metros.

    - Em paredes externas, nos cantos verticais, nas mudanças de direção do plano do revestimento, no encontro da área revestida com pisos e forros, ou com outros tipos de revestimentos, bem como onde houver mudança de materiais que compõem a estrutura suporte de concreto para alvenaria.

    - Em pisos internos, sempre que a área do piso for igual ou maior a 32m2 ou sempre que uma das dimensões do revestimento for igual ou maior que 8 metros.

    - Em pisos externos e pisos internos expostos diretamente à insolação e∕ou umidade, com área igual ou maior a 20m2 ou sempre que uma das dimensões do revestimento for igual ou maior que 4 metros.

    - Em pisos, no perímetro da área revestida e no encontro com colunas, forros, colunas, vigas e saliências ou com outros tipos de revestimentos.

     

    A largura destas juntas deve ser dimensionada em função das movimentações previstas para a parede e em função da deformabilidade admissível do selante, respeitando o coeficiente de forma, especificado pelo fabricante do selante.

     

  • Juntas de União ou Dessolidarização

    Sabe os espaços que separam a área com revestimento cerâmico de outras áreas (paredes, tetos, pisos, pilares e lajes), pois estas são as Juntas de União ou Dessolidarização. Elas aliviam as tensões provocadas pelo revestimento e/ou pelo substrato.

     

    E para que haja absorção das tensões, o material de enchimento dessas juntas deve ser altamente flexível, tal como borracha alveolar, espuma de poliuretano, manta de algodão, cortiça e outros materiais encontrados em materiais de construção. 

    juntas de união

Assentamento de Piso sobre piso

O assentamento de um piso sobre um material já existente pode ser efetuado desde que se tenham alguns cuidados em relação à base (piso antigo): deve estar nivelado, limpo e bem aderido retirando peças soltas e descoladas. Em caso de desnível é necessário preencher com massa antes de assentar as peças. Para garantir a eficiência do serviço deve-se usar uma argamassa colante industrializada fabricada especialmente para piso sobre piso, passar argamassa no verso da peça e também na base – processo chamado de dupla colagem. Não esquecendo que o rejunte deve ser flexível e impermeável. 

Confira mais detalhes sobre o assentamento de piso sobre piso no vídeo explicativo.

  • Assista ao vídeo

Assentamento de Pastilhas de Vidro

O assentamento de pastilhas de vidro é muito simples e prático. O assentamento deve ser feito com argamassa específica para este fim e rejuntada com a mesma argamassa. Os demais processos do assentamento podem ser seguidos normalmente. Uma boa dica é colocar um pedaço de madeira sobre a pastilha já assentada e bater com o martelo de borracha, garantindo o alinhamento entre as pastilhas. Após o rejuntamento e com a argamassa já firme remova o excesso, repita a limpeza até que as juntas fiquem lisas e no mesmo nível da peça. 

35 Assentamento de Pastilhas de Vidro

Cortes

Para cortes do Porcelanato, recomenda-se utilizar máquina com disco diamantado liso lubrificado com água, pois a peça possui uma massa mais rígida e homogênea.

Cortes Retos 

36 Cortes Retos

Os cortes retos podem ser realizados por riscador manual e/ou por serra elétrica (“Makita”).

Geralmente, os cortes em placas com lado até 60cm são realizados com riscador manual.  Em placas com lado maior que 60 cm os cortes são realizados com serra elétrica (“Makita”). Para a realização do corte com serra elétrica, deve-se utilizar disco diamantado, bem como realizá-lo em três etapas ao longo da espessura da peça: 

  • Primeiro corte: para evitar lascas e melhorar o acabamento.
  • Segundo corte: atingir até o meio da espessura da peça.
  • Terceiro corte: conclusão do trabalho

Cortes quadrados 

Para a realização dos cortes quadrados deve-se obedecer ao seguinte procedimento:

  • Utilizando uma furadeira com broca diamantada de 6mm ou 8mm,  fazer um furo a cada ângulo a ser formado (ver fig).
  • Com a serra elétrica (“Makita”) com disco diamantado, realizar a união dos furos na face conforme as três etapas de corte apresentadas anteriormente. 37 Cortes quadrados

Recortes

Para a realização dos recortes, é necessário uma largura mínima de 5cm e deve deve-se obedecer ao seguinte procedimento:

  • Utilizando uma furadeira com broca diamantada de 6mm ou 8mm, fazer um furo em cada ângulo a ser formado (ver fig.).
  • Utilizando a serra elétrica (“Makita”) com disco diamantado, fazer os cortes das extremidades (ver fig.).
  • Por fim, concluir o corte no interior na peça.

38 Recortes

Cortes Circulares 

Para a realização dos cortes circulares recomenda-se a utilização de serra copo diamantada com o diâmetro do furo a ser obtido. Caso não se disponha de serra copo, pode-se realizar, utilizando a serra elétrica (“Makita”) com disco diamantado, o desgaste do verso da peça até restar uma espessura mínima que possibilite quebrar até obter o diâmetro desejado. 

39 Cortes Circulares

 

^